Arquivo da Categoria ‘SEO’

Tudo sobre Sitemap – Iniciando o sitemap.xml

terça-feira, 13 de julho de 2010

http://www.easyseo.com.br/sitemap/tudo-sobre-sitemap-iniciando-o-sitemap-xml

EasySEO

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Consultoria em SEO pela EASYSEO, eu indico!
http://www.easyseo.com.br/

Trackbacks, Pingbacks, Refbacks e Linkbacks, o que são e como usá-los?

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

É muito comum um blogueiro escrever sobre um assunto e outro blogueiro comentar sobre esse assunto, ou melhor ainda, expandir o assunto. Quando se continua um assunto iniciado em outro blog, geralmente é colocado um link informando ao leitor o post de origem. Seria interessante se o blogueiro que iniciou o assunto soubesse que você está comentando com ele certo? Melhor ainda se tivesse um link lá para que os leitores dele viessem até o seu blog para lerem suas considerações a respeito, não acha?

Qualquer método que permita que o autor original seja notificado quando alguém faz referência a um post seu é chamado de linkback, popularmente costuma-se chamar todos eles de trackback, quando na verdade trackback é um método específico de linkback, vejamos as diferenças entre eles:

Trackback – O sistema de blog que você utiliza examina todos os links que você colocou no seu post e manda uma notificação para cada um deles (usando o método HTTP_POST comumente usado em formulários), através dessa notificação são enviados o nome do seu blog, o título do seu post, um trecho do seu post, o endereço (url) do seu post, e o número (ID) do seu post. O blog que recebe a notificação precisa suportar trackbacks, em caso positivo ele pode ir para uma fila de moderação onde o autor decide se será publicado ou não. Caso seja publicado os trackbacks costumam ser colocados junto dos comentários.

Pingback – O sistema de blog que você utiliza examina todos os links que você colocou no seu post e manda uma notificação para cada um deles (usando o método XMLRPC), através dessa notificação são enviados o endereço (url) do post que foi linkado e o endereço (url) do post que o linkou. Caso o blog que recebeu o pingback possua esse recurso ele analisará o post que enviou o pingback e extrairá dele as informações desejadas. É menos suscetível a spam pois quando o blog de destino analisa o seu post ele verifica se você realmente fez um link para ele.

Refback – Um visitante do seu blog clica no link que você deixou informando o post original, o blog de destino analisa as referências e deixa um link no post original avisando de onde estão chegando visitantes permitindo que os visitante do blog dele façam o caminho inverso, ou seja, sigam para o blog que continuou o assunto. Não requer nenhum recurso específico no seu sistema de blog mas sim no blog que você está linkando. Para evitar spams recomenda-se que o blog que recebe um refback analise o endereço que enviou a notificação para verificar se ele efetivamente fez um link.

Formas de uso:

Se o seu sistema suporta pingbacks geralmente basta ativá-lo nas configurações e você não precisa fazer mais nada, ele identifica os links e manda as notificações.

Se o seu sitema suporta trackbacks ele terá um campo na postagem para você informar as URLs de trackback. Procure nos posts dos blogs que você está mencionando uma indicação dessa URL de trackback, ela costuma ficar perto do formulário de comentários, copie a url de trackback e coloque no campo adequado do seu sistema de postagem. Múltiplas URLs costumam ser separadas por vírgula. Ao clicar em enviar o seu sistema notificará cada blog informando que você fez um post comentando algo que eles escreveram. Para aceitar trackbacks ative essa opção nas configurações do seu sistema de blog, você pode optar por receber diretamente os trackbacks ou aprová-los antes da publicação. Alguns sistemas possuem a opção de analisar todos os links e descobrir automaticamente as urls de trackback.

Refbacks são configurados apenas no blog que recebe a notificação, você precisa ativar isso nas configurações do seu blog ou instalar um script de refback, scripts eficientes de refback costumam ser lentos devido a demora em analisar cada página que enviou uma referência e scripts que não analisam as referências costumam receber muito spam de sites especializados em burlar essa técnica, por esse motivo o refback não é muito popular atualmente.

Se o seu sistema de blog não possui pingbacks ou trackbacks você pode enviar um trackback através do Formulário de Trackback, ou deixar um comentário no blog de origem informando sua URL, fazendo uma espécie de ‘trackback manual’, o importante e manter as ligações entre os blogs para estimular as conversações e o espírito de comunidade dos blogs.

Posts similares:
Trackbacks para todos
Finalmente os trackbacks
Conversações em alta

Fonte: Interney

Google Custom Search Engine

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Personalizando o Google para o seu website:

http://www.google.com/coop/cse/

é possível tirar as propagandas, dar ênfase no seu website, ou até mesmo restringir o google no seu website, tudo personalizado.

[]s

SEO – indicação

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

excelente site em pt-br: http://www.marketingdebusca.com.br/

SEO: URL Amigável

sábado, 15 de setembro de 2007

Uma boa técnica de SEO(Search Engine Optiomation) é a utilização de URLs amigáveis, além de otimizar sua posição em mecanismos de busca ele fica muito mais agradável para o usuário, é mais fácil entender onde você está identificando a URL: www.seusite.com.br/secao/nome_da_secao do que acessando o site www.seusite.com.br?mod=section&section_id=129805 , não acha?

Para gerar regras é preciso conhecer expressões regulares, caso você não seja um expert no assunto, existe um gerador de regras para URL amigáveis no apache pode ser localizado em:
http://www.webmaster-toolkit.com/mod_rewrite-rewriterule-generator.shtml

Coloque estas regras no .htaccess de seu diretório.

No código-fonte da sua aplicação você precisará só mudar os links que apontavam para a URL mais confusa para este novo formado de url amigável e Bingo!
Agora você tem URL amigáveis sem mexer quase nenhuma linha em seu código-fonte.

Abraços,
FernandoCosta